Anúncio HOME

Notícias

O que comer

Receitas

Viagens

Anúncio do topo interno




Quando a turma do churrasco se reúne, sempre tem os que preferem a carne sangrando e os que só comem bem passada. No meio do caminho tem aqueles que pedem ao ponto. A questão é polêmica, mas o que é unânime entre essa galera é o prazer de ter uma churrasqueira recheada com vários cortes.

Maycon Gurjão investiu na sua paixão e abriu a Churrasco na Brasa, restaurante que tem a picanha como carro-chefe. Ele diz que pra preparar um churrasco perfeito é necessário escolher um corte de boa procedência. A picanha, por exemplo, tem entre 1kg e 1,100 kg, se tiver mais que isso pode ter vindo com um pedaço de colchão duro. Outra dica é nunca furar a carne, porque perde o suco, responsável pela suculência.

Maycon transformou o hobby em profissão

“Não é somente colocar a carne na grelha, existe todo um cuidado desde a escolha do corte, passando pelo preparo e pelo ponto. Para saber o momento exato de virar o corte, é preciso observar quando começar a aparecer o suco em cima da carne. Além disso, cada carne tem um tempo na grelha, ou seja, fazendo uma comparação a picanha é mais rápida que uma fraldinha”, explicou Maycon.

Existem diversos pontos de carne, dentre eles a mal passada, ao ponto para mal passada, ao ponto, ao ponto para bem passada e bem passada. Porém, Gurjão demonstrou os três mais comuns: mal passada, ao ponto e bem passada

“No restaurante nós criamos um ponto próprio, que conserva o suco da carne e deixa suculenta, assim estamos conseguindo agradar todo mundo, desde quem gosta de carne mal passada até quem gosta de carne ao ponto. Conseguimos isso por meio de uma pesquisa, testando técnicas e cortes mais finos. Mas posso afirmar que o amapaense de maneira geral gosta mais de carne bem passada, porém eu tenho até dificuldade em fazer uma carne assim, porque eu como amante de churrasco gosto de carne ao ponto”, falou o proprietário do Churrasco na Brasa.

Daniel Benevides, que já comandou outros restaurantes e hoje é proprietário do Braseiros Club da Carne, também concorda que o amapaense em geral já consome carne mal passada e ao ponto, entretanto os mais pedidos no restaurante são ao ponto para bem e bem passado.

“Nós costumamos deixar sempre a carne ao ponto e se o cliente pedir, nós assamos um pouco mais, o que na minha opinião não é o ideal porque a carne acaba perdendo a qualidade e maciez”, falou Daniel.

Pontos

De trás pra frente: carne mal passada, ao ponto e bem passada

Quando a carne está mal passada ela fica levemente tostada por fora e com o interior avermelhado. Para preparar, você precisa selar a carne, deixando a sua superfície em contato com a grelha quente por um curto período. Especialistas consideram o ponto mal passado o ideal para quem realmente gosta do sabor da carne.

A carne está ao ponto quando apresenta uma boa faixa rosada ao centro e suas bordas estão um pouco mais tostadas do que a mal passada.  Desta maneira a carne fica bem macia, principalmente dentro. Se não souber o gosto de todos os convidados, o ideal é optar por este ponto de carne.

Já a carne bem passada é completamente tostada, mas isso não significa que ela deve estar queimada.
Há uma linha muito tênue neste ponto, já que a carne não fica tão macia ao toque, mas é necessário tomar cuidado para que não fique dura. O grande segredo é selar a carne em fogo alto, mas continuar cozinhando em fogo baixo, sempre prestando atenção.



A líder - Jornalista, ariana e apaixonada por doces.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Anúncio do rodapé interno

| Designed by Camila Ramos