Anúncio HOME

Notícias

O que comer

Receitas

Viagens

Anúncio do topo interno

Fetuccinni com espinafre indiano, produzido pelo chef Orazio Cattani

Para quem não conhece, elas podem ser vistas apenas como mato.  As Plantas Alimentícias não Convencionais (Pancs) estão por toda parte, sejam nas ruas, canteiros, calçadas, praças e até mesmo no seu quintal. O que muita gente não sabe é que muitas Pancs podem fazer parte da alimentação e são uma alternativa nutritiva e livre de agrotóxicos.

Mas como saber quais plantas são comestíveis ou não? De acordo com Melson Monte, que estuda as Pancs há três anos, não é tão simples. Ele tem a ajuda de livros especializados e promove expedições para identificar o que tem de comestível pelas ruas de Macapá. O grupo busca plantas, frutas e ervas que podem ser usadas como temperos e até com refeições principais. O trabalho não se restringe a somente identificar a planta, mas no final de cada caminhada, são feitas receitas com o que foi colhido.  No último encontro realizado o cardápio foi sopa de urtiga e panqueca de espinafre indiano.

“Você pode começar pelas plantas mais conhecidas e mais fáceis de encontrar. Temos um grupo Pancs AP, no Facebook, para que as pessoas possam tirar dúvidas antes de consumir. Compartilhamos receitas, fotos das plantas e todas as dicas necessárias”, explicou Melson.

Orazio e Melson Monte se juntaram pra difundir as Pancs

O chef Orazio Cattani utiliza as Pancs em diversas receitas e explica que antes de começar a utilizar é necessário ter prudência, porque existem plantas tóxicas ou que devem ser manipulas de uma maneira diferente. Um exemplo clássico é a maniva, utilizada no preparo da maniçoba, comida típica do norte. Você não pode comer in natura, antes de ser consumida ela precisa ser cozinhada por uns sete dias.

“As Pancs devem ser utilizadas, mas é necessário pesquisar antes de consumir. Explico também que  o que pode ser uma Panc aqui, não é em outro lugar e vice versa. Porque Pancs é o que eu não tenho o hábito de usar no dia a dia. O jambu e a maniva, por exemplo, são muito comuns na culinária nortista, mas são Pancs em outras regiões”, enfatizou.

Cattani comenta que no seu país, a Itália, é normal utilizar as Pancs e que as pessoas saem para colher, principalmente por conta do forte hábito de consumir vegetais diariamente. Ele descobriu a nomenclatura Pancs quando chegou no Brasil. No Amapá, o primeiro contato que teve com as plantas não convencionais foi por meio de pessoas que vendem remédios medicinais. Ele logo pensou: se é remédio, também é comestível.

Manjerico (Alternanthera tenella) é encontrado nos quintais

Orazio é proprietário da Osteria Il Giardinetto e serve pratos que têm as Pancs como ingredientes, dentre eles está o Fetuccinni com espinafre indiano, utilizado como base pra outras receitas. Ele também desenvolve o Projeto Social Chefe na Comunidade, em que ensina as pessoas a comerem sem gastar dinheiro ou com um custo muito baixo.

Melson Monte diz que diversas plantas são comuns nas ruas e quintais em Macapá, dentre elas destacam-se a chanana (Turnera subulata), mangerico (Alternanthera tenella) e beldroega (Portulaca oleracea).

“Às vezes não é falta de comida, é falta de conhecimento. O mundo está passando fome, mas tem comida no quintal, nas ruas e nos jardins e as pessoas não sabem”, concluiu o pesquisador.



A líder - Jornalista, ariana e apaixonada por doces.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Anúncio do rodapé interno

| Designed by Camila Ramos